CONFLITO OU CONFRONTO?

O que esperar de um mundo que nos afronta com tanto vigor? O que fazer quando vivemos dias de caos? Nem sempre é possível criar um universo paralelo e acordar vendo passarinhos cantando.

O mundo é o que é e a ele nada falta, desde sempre ele foi diversificado. E o problema não está na complexidade do mundo, mas nas relações daqueles que o compõem. Na verdade, a diversidade é uma ferramenta essencial para o progresso, pois que sem ela, as interações seriam unilaterais.

Imagine todos pensando, agindo, falando, comendo da mesma forma?

No entanto, é certo que relações e debates de ideias contrapostas causam atrito, mas é no atrito que se lapidam gemas preciosas. E aqui se faz necessário citar o coração do texto. Já que o mundo é complexo e na interação dessas partes jaz o atrito que é a chave do progresso e da evolução, como viver feliz em um mundo conflitante? O primeiro passo é aceitar que o mundo é conflitante, que por definição é a interação de duas partes contrapostas que almejam a deliberação por uma escolha entre ambas.

Ficou difícil? Conflito é quando você precisa decidir entre duas ideias distintas: será que tomo o caminho A ou B? Quantas vezes você não se viu nessa situação? Pois é, a vida é assim, aceite! Acho que o segundo passo é entender que existem causas e consequências diante de suas escolhas. Se você opta por A, vai deixar de aproveitar B. Não adianta optar por A e ficar pensando no que perdeu em B, dessa forma você não aproveita nem um nem outro.

E nesse ponto vou contrariar a autoajuda! Não se pode ter tudo e não se pode fazer tudo! Todos têm limites, aprenda a reconhecer e respeitar os seus, não crie frustrações. O terceiro passo é entender que há diferença entre conflito, já definido, e confronto, que é o combate, a oposição violenta entre duas ideias distintas. w O mundo é conflitante, mas não precisa ser confrontante.

Não seja impositivo (a) ou agressivo (a), caso contrário você personificará a palmatória, e não se muda o mundo ou alguém a pauladas, no máximo uma coibição, mas mudar, não muda.

Lembre que impor a sua vontade, por mais que seja “para o bem” ainda é uma forma de colonização, de desrespeito. Não ache que ser feliz é sentir prazer o tempo todo. Prazer é uma satisfação visceral, é uma reação orgânica a determinadas substâncias naturais ou sintéticas; ser feliz é um estado de espírito lúcido e pleno diante das relações com o mundo externo e interno.

 

© 2017 Revista Bacana. Todos os direitos reservados. Designed By Top Level