Esse mês de agosto azul é dedicado à realização de ações para incentivar a prevenção e a promoção da saúde do homem. E nesse ponto os homens devem ceder às mulheres; as mesmas estão “anos luz” à frente no quesito autocuidado e promoção de saúde.

Técnica cirúrgica datada de 1980, de ressecção da bola gordurosa de Bichat, com a finalidade de harmonização da estética facial, seja no contorno das bochechas ou do sistema mastigatório. Realça como consequência, as maçãs da face e/ou corrige desarmonias congênitas nesta região.

Todos nós já sabemos o quanto a exposição à radiação ultravioleta emitida pelo Sol pode ser prejudicial à nossa pele. Ela é o principal fator responsável pela formação de tumores cutâneos, através do dano ao DNA do núcleo das nossas células. O primeiro sinal do abuso excessivo à luz do Sol é a presença de pequenas feridinhas, principalmente nas áreas expostas, geralmente vermelhas ou mais claras e que possuem uma descamação fina na superfície a qual são conhecidas como queratoses actínicas. Essas lesões são muito importantes, pois, além de possuir um risco elevado de transformar-se em câncer de pele, devendo ser tratadas o mais breve possível, são marcadoras de dano da pele de toda a região.

A calvície, que já incomoda bastante os homens, quando acomete as mulheres pode ser causa de grande ansiedade e sofrimento emocional. Os cabelos têm grande importância na estética da mulher e são muito valorizados como característica feminina.

A Vila de Santo André ganhou um lugarzinho especial, cheio de charme e boas surpresas, de frente para o mar. Desbravando os 22 mil m² da Terra Morena casapraia, descobrimos uma mesa de brunch com quitutes fresquinhos, tapiocas que dão água na boca e uma aconchegante sala de massagem.

Hoje resolvi escrever sobre um “tempero” que muita gente tem dificuldade em abrir mão... O SAL. Devido ao fato dele estar presente na maioria das refeições, resolvi esclarecer algumas dúvidas...

Na edição passada a Ana nos permitiu relembrar como 2015 foi um ano intenso, colocando à prova nossa força, coragem e predisposição para mudanças necessárias ao nosso aprimoramento constante. Não poderia ser diferente em se tratando de um ano VIII.

Você se identifica? Tornar-se cada vez mais mal humorada (o) e irritável. Reduzir sua vida social ou simplesmente “não querer mais ver pessoas”. Não querer lidar com atividades corriqueiras, como abrir correspondências, pagar contas ou retornar as chamadas telefônicas. Ficar exausta (o) com facilidade. Parar de fazer exercícios.

Patricia Grassano Padovani, 37 anos, nascida em São Paulo morou por 16 anos em Jaraguá do Sul/SC, e há 3 anos e 3 meses está em Arraial. Educadora física formada em Blumenau/ SC e fisiologista do exercício e especialista em grupos especiais.

No início do século XX a expectativa de vida ao nascer era de aproximadamente 40 anos. Naquele tempo o homem ou a mulher que atingissem essa idade provavelmente estariam se aproximando do final de suas vidas. Hoje, aos 40 anos eles são considerados jovens...

Você gosta do mundo em que vive? Você gosta da cultura que produzimos em nossa sociedade? Por que o mundo anda
tão conflitante com aquilo que gostaríamos de viver? Às vezes eu tenho a impressão de que o ser humano tem uma inclinação
à autodestruição. Dedique alguns dias à observação do comportamento da sociedade e você entenderá o que estou dizendo.
Provavelmente você irá perceber que é muito mais tentador e comum cultivarmos hábitos que nos degradam moral, psíquica e fisicamente. Parece que pouco se faz e investe na promoção das virtudes e harmonias sociais e pessoais.

Cultura é definida como um produto da inteligência humana; o paradoxal nesse aspecto é que nós, seres humanos, também somos produto de uma mesma cultura produzida por nós mes­mos. É como se fosse um sistema de retroalimentação. Vivemos em uma cultura na qual o que se valoriza são os objetivos alcan­çados, as metas ultrapassadas no campo da posse, dos títulos, dos destaques, do ser o melhor.

Mas não entenda o problema como sendo essa conduta; o problema é visar objetivos que não o satisfazem por um simples agrado de status social; o problema não é ultrapassar metas, mas ultrapassar os limites da ética; o problema não é ter, mas sim deixar que o que você tem te tenha; o problema não é buscar ser o melhor, mas tentar ser melhor que terceiros quando você deveria buscar ser melhor amanhã do que você é hoje. Mas o que esperar de um cidadão que foi for­jado ao longo de sua vida escolar e social sobre esses ditames? Competição, valorizar a fama e não a importância, estar sempre “atualizado” com o que há de “melhor” em termos materiais, almejar um título que o destaque na sociedade para que seja “melhor” do que o comum, uma formação educacional exclusiva­mente conteudista; ter um impacto na sociedade.

E nesse ponto abordo o quesito: Valores. Sabemos que o valor envolve singularidade, ou seja, o que é valioso para você pode não ser para mim e vice versa; no entanto há a necessidade de um denominador comum quando se trata de sociedade. Por mais que nossos valores possam diferir entre si, precisamos de valores comuns que nos possibilitem o convívio mútuo. Valores que promovem a ética e o progresso social devem ser prioriza­dos em detrimento de uma sociedade produtiva e eficiente. Até então parece tudo lógico; mas entre a teoria e a prática, nessa questão há um espaço abismal. Mas quais valores são esses de senso comum? Eu tenho uma teoria. Chamo-a de autoconscien­tização.

Perceba que por definição, ser “humano” incute a ideia de ser bom; portanto, se você nasce humano, ser bom é algo intrínseco à sua natureza. Como achar essa bondade inerente a essa condição? Conhecendo a si mesmo. Perceba que vivemos pautados no hedonismo da superficialidade, tudo agora é des­cartável; tudo! Ao aprofundar-se em si mesmo perceberemos o que realmente importa; a essência do que vem a ser humano. E esse não é um discurso piegas, é uma questão de lógica. Viver uma vida superficial e prazerosa não é viver uma vida profunda e feliz. Prazer é satisfação momentânea dos órgãos do sentido, MOMENTÂNEA; felicidade é um estado de espírito que vale por si só.

E uma das ferramentas para se conhecer é a meditação. Essa não está restrita ao campo do misticismo, pelo contrário, é um sistema muito utilizado e estudado pelas ciências humanas nas mais diversas áreas. Não se trata de ficar “zen”; mas de desen­volver sua inteligência emocional, suas capacidades cognitivas, de higienizar sua mente. Sabe o que acontece com seu corpo se você não higienizá-lo? Você adoece e diminui sua expecta­tiva de vida. Por que seria o contrário com sua mente cheia de entulhos, mágoas e ressentimentos? Imagine uma criança edu­cada sobre esses parâmetros? Por isso estou promovendo um curso de formação em prática e docência de meditação; e nesse curso desenvolveremos um projeto para inclusão da meditação, de uma forma laica, nas escolas de nossa cidade. Não entenda que por termos como cultura a corrupção, a superficialidade, a insatisfação e a revolta desde quinhentos anos atrás, sejam qua­dros imutáveis; muito pelo contrário; como disse, cultura é um produto da inteligência humana, portanto, dinâmica e mutável. Não gosta do mundo em que vive, comece a mudá-lo. Que saber como? Gostou da proposta do curso e do projeto de inclusão da meditação nas escolas? Quer aprender a meditar, desenvolver seu foco, aprender a lidar com seus sentimentos e emoções? Participe. Talvez não sejam as leis que precisam ser revistas e reformuladas; mas sim, os valores e princípios em que nossa sociedade está pautada.

A vida vem pedindo alegria, sorrisos e nada melhor do que sorrir sem medo de ser feliz!!!

Um bom profissional é tudo o que precisamos para cuidar desse patrimônio, e a Oral Center reuniu uma equipe bacana para atender você da melhor forma possível e arrancar o seu melhor sorriso. Bom, agora é só conferir!

Você escova os dentes do seu cão ou gato periodicamente? Assim como acontece conosco, humanos, nossos amigos pets também precisam de uma higiene bucal para evitar complicações e doenças. O tártaro em cães e gatos é algo que normalmente não é levado a sério pelos donos, mas que a longo prazo, se não for tratado, pode causar a perda precoce dos dentes e até mesmo doenças graves e infecções nos nossos animais.

© 2017 Revista Bacana. Todos os direitos reservados. Designed By Top Level