Toda criança é especial

O que a torna diferente? A diferença está no olhar?

Toda criança vem para uma família por alguma razão, todo ser humano possui sua missão de vida.

 

Toda criança é um espírito repleto de vida e de história. É muito importante saber trabalhar com esta história respeitando a identidade de cada criança estimulando o que nela há de melhor.

A pessoa é tudo aquilo o que está no “coração”. O que não existir, não pode ser estimulado.

Autismo, síndrome de Down, dislexia, hiperatividade, dentre outros são nomes que têm a função de caracterizar e auxiliar na evolução somente!

Nomeamos ou rotulamos crianças pelo seu jeito de ser ou dificuldades que carregam e as chamamos de especiais.

O ser humano quando vira adulto esquece que foi criança e se contamina, muda seu coração e se sente no direito de usar o que deveria ser material de auxílio para julgamento.

Eu te pergunto: E aquelas crianças que não possuem alguma “deficiência” nomeada são menos especiais? E qual o ser humano que não possui deficiência?

As crianças são uma bênção e especiais em todo seu ser. Nós, adultos, é que temos a mania de julgar e potencializar os defeitos quando deveríamos enxergar com olhos de crianças a magia do amor e suas missões em nossas vidas.

Sim! Porque cada criança com sua personalidade única contribui para que os pais também aprendam com ela, basta saber olhar!

Sem dúvida alguma, o olhar é significativo demais porque, a um só tempo, enxerga o mundo, espelha a alma. Há quem veja sem enxergar, e há quem enxergue sem ver. Olhos alegres refletem alma alegre. Olhos tristes são o espelho de uma alma ensimesmada por angústias.

Há que se ver com o coração, nos diz Exupéry. Contudo, em se vendo com o coração, ficamos nas mãos da coisa mais incoerente, irracional e sem limites que existe dentro em nós. Já não mandamos nessa ótica, porque nos foge ao controle. Escapa do nosso decidir. O coração é feitor, e pouco se importa com nossa dor.

Pouca importância tem se foge do controle ou da razão. O que importa é a amplitude e a imensidão do amor e da compreensão, seja para ver o exterior, seja para ver nosso interior.

O olhar precisa ser carregado de significados, sim, mas muito mais de significantes. Olhar além de nós, olhar dentro em nós, não importa… O que importa é que seja um olhar corajoso, sem medo de ver o que não se quer ver até porque o mais importante nem sempre é visível aos olhos que não olham com o coração.

Todos nós, crianças ontem e adultos amanhã somos especiais e singulares, com deficiências e dificuldades, mas com habilidades também.

As crianças de ontem, especiais, são os adultos de hoje em evolução pra idosos amanhã, na travessia da vida cumprindo sua missão na Terra, que vai além do que nossos olhos podem ver!

“Só se vê bem se pusermos o coração no olhar, para que o essencial não se torne invisível aos olhos!” Ercília Pollice

 

Patrícia Ferreira Catalã Pedagoga / Psicomotricista / Psicopedagoga / Neuropsicóloga

© 2017 Revista Bacana. Todos os direitos reservados. Designed By Top Level