Fonte está realmente Nova

  Ao entrar no estádio da Fonte Nova no dia da inauguração me senti por um momento no “Camp Nou”, da Espanha, quase que fui de paletó e gravata, porém o calor aqui em Salvador não permite. Cheiro de novo, a torcida fica mais próxima ao campo e os assentos são mais confortáveis do que a cadeira que estou sentado enquanto escrevo esta crônica, coisa de primeiro mundo.     Quando entrei vi torcedores admirados e de boca aberta, babando emocionados com os olhos arregalados.  A festa inaugural foi linda e emocionante, principalmente a homenagem feita às sete pessoas que morreram na antiga Fonte Nova em 2007. A única estrela que o Vitória tem, deu um show: Ivete é sensacional, cantou o hino do EC Vitória e também o do EC Bahia, acenando para as duas torcidas, enquanto a Claudinha Leite ficou pagou mais um mico ao não ir vestida de branco como estava no script do evento, enfim, senta lá Claúdia!
    Se vazio o novo estádio é bonito, lotado nem se fala. Os cantos e gritos das duas torcidas ecoaram perfeitamente no ambiente, o teto é coberto e se chover o torcedor não se molha, isso é o máximo! O que particularmente não gostei foi a alcunha da Arena junto ao nome de uma cerveja. Nada contra a Itaipava, porém imagina tomar uma loirinha sem álcool e um refrigerante que parece mais “ki suqui” feito com água gaseificada? Eu chupei um picolé de R$ 5,00 e fiquei revoltado que ele não veio premiado, isso é um absurdo!
    O Sistema de evacuação da Arena foi aprovado, principalmente pelos torcedores do Bahia que estavam já indo embora no terceiro Gol do adversário. Muitas saídas, facilitam uma casual emergência. Enfim, ia até falar um pouco da partida, porém nem sei realmente o que aconteceu. Como torcedor tricolor tenho uma boa desculpa: “eu estava conhecendo o estádio que nem me importei com o jogo”. Parabéns ao Rubro Negro pela sonora goleada sobre o seu rival! Continuando o curso das desculpas esfarrapadas, acho que os jogadores do Bahia ficaram tão impressionados com a beleza do estádio que se esqueceram de jogar, e quando resolveram correr atrás do prejuízo já tinham levado cinco gols nas suas redes.
    Em resumo, tudo lindo, mas alguns soteropolitanos ainda precisam ter um pouco educação e preservar um patrimônio que é seu! Foram quebradas algumas cadeiras, nem acreditei quando soube disso, porém as câmeras já flagraram os vândalos que vão ter que pagar R$ 250,00 por cada assento destruído. Tomara que a pena seja realmente executada para servir de lição aos outros possíveis destruidores. Se algum dia eu presenciar alguém tirando um parafuso se quer, tenha certeza que chamo até o FBI. Vou lá mais vezes, admirar ainda mais o palco do futebol baiano de grandes emoções e histórias. Agora sim, a Fonte está de volta e realmente está Nova.

© 2017 Revista Bacana. Todos os direitos reservados. Designed By Top Level